Home Ouvidoria Voluntariado Trabalhe na ISCAL Intranet Mapa do Site
A ISCAL
Unidades da ISCAL
Convênios de Saúde
Serviços
Pastoral da Saúde
Ensino e Pesquisa
Voluntariado e   Comunidade
Fornecedores
Imprensa
Fale Conosco
NotÝcias
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto
Tamanho do texto

Eu posso escolher o meu doador de órgãos?


Pacientes à espera de um transplante de órgãos e familiares lotaram o auditório do Conecta Iscal para saber mais sobre a definição do melhor doador para cada caso. A bioquímica Sueli Borelli, doutora em Imunologia, residente em Maringá, respondeu à pergunta central deste tema: “Não. O receptor não pode escolher quem vai ser o doador”. A palestra, organizada pela CIHDOTT (Comissão Intrahospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes) da Iscal,  foi no dia 10 de junho.

A palestrante explica que um dos pontos fundamentais da doação e transplante de órgãos é a compatibilidade entre receptor e doador, independente se o doador será vivo (caso de rim, fígado e medula) ou cadáver. Exames laboratoriais vão identificar essa compatibilidade. O primeiro deles é a correspondência sanguínea, no grupo ABO. 

Sueli Borelli durante palestra

O próximo marcador a ser medido, depois do tipo sanguíneo, segundo Borelli, é a reatividade contra painel de células (PRA). Ela explica que o exame é feito comparando o soro do paciente com células de diferentes indivíduos da população. O resultado varia de 0 a 100%. O zero indica a menor reatividade e, portanto, o melhor resultado. Ou seja, o organismo do receptor não vai reagir ao órgão do doador. A partir de 30% de reatividade, segundo a palestrante, o transplante se torna inviável. 

Outros dois exames imprescindíveis para seleção ou exclusão do doador são o HLA e o cross match. O HLA (Human Leukocyte Antigens), que em tradução livre significa antígenos de leucócitos humanos, é a comparação de genes. Ele vai mostrar quais doadores entre os possíveis são mais parecidos geneticamente com o receptor.  
 
Já o cross match, ou prova cruzada, vai identificar a possibilidade de rejeição do órgãos nas primeiras horas do transplante. Se o resultado for ‘não reagente’, o doador está aprovado. “Por que rejeitei o órgão se eu era HLA idêntico ao doador? As provas laboratoriais servem para que não haja rejeição imediata. Mas a rejeição ao longo do tempo pode ocorrer. Por isso a importância de tomar a medicação imunossupressora para o resto da vida”, destaca Borelli. 

Este é um dos motivos do monitoramento pós-transplante. Na Santa Casa de Londrina esse trabalho é feito através do ambulatório de transplante coordenado pela CIHDOTT. Borelli deixa um recado enfático aos transplantados: “Vocês precisam ser mais responsáveis que o próprio médico com a coleta dos exames para acompanhamento. É o seu órgão, a sua vida. É uma responsabilidade com o órgão recebido e com o doador”. 

................
Assessoria de Comunicação | ISCAL
FOTOS: Arquivo ISCAL

 

 

Pesquisar:
 
 
 
Rua Senador Souza Naves, 441 - 15°andar • CEP 86010-160 • Londrina/PR