Home Ouvidoria Voluntariado Trabalhe na ISCAL Intranet Mapa do Site
A ISCAL
Unidades da ISCAL
Convênios de Saúde
Serviços
Pastoral da Saúde
Ensino e Pesquisa
Voluntariado e   Comunidade
Fornecedores
Imprensa
Fale Conosco
Notcias
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto
Tamanho do texto

Hackathon Health Tech
Maratona termina com 13 propostas de soluções tecnológicas para segurança do paciente
Os projetos vencedores trabalharam dois temas: lesão por pressão e comunicação efetiva entre serviços   

Um sistema que integra sensores na cama dos pacientes e aplicativo para smartphone para otimizar a prevenção de lesões por pressão, as LPP, nos hospitais, foi a proposta vencedora do Hackathon Health Tech 2018. Setenta pessoas entre profissionais e estudantes de desenvolvimento de software e da saúde, participaram da maratona na Santa Casa de Londrina, no final de novembro. O resultado das 48 horas ininterruptas do hackathon da saúde foram 13 propostas de soluções para a segurança do paciente.  
 
“A ideia surgiu e amadureceu aqui (na maratona). A gente nem sabia muito bem como era um hackathon e ganhamos. Agora vamos buscar a um parceiro para lançar no mercado”, afirmou empolgado Celso Estersa Júnior, um dos integrantes da proposta vencedora, o LPP Helper. Os cinco estudantes universitários da equipe vão dividir o prêmio de R$ 5 mil. A ideia do LPP Helper é notificar os profissionais a cada duas horas para trocar a posição do paciente acamado. 
LPP Helper conquistou o 1º lugar
Hoje, na Santa Casa de Londrina, este trabalho é feito por uma enfermeira que visita as UTIs seis vezes ao dia, 5 vezes na semana, checando a mudança de decúbito e outras medidas preventivas de LPP. Em um mês, as medidas apresentaram redução de 21% para 7,3% de LPP entre os pacientes. A literatura, segundo a enfermeira, relata que até 65% dos pacientes desenvolvem LPP. Porém, para realizar esse trabalho a enfermeira calcula que são gastos, em média, 10 minutos por visita por UTI. Isso significa 1 hora/dia/UTI. Para checar as cinco UTIs do Hospital, são 5 horas por dia de segunda a sexta. Com o sistema proposto, esse tempo poderia ser dedicado a outras atividades.    
A equipe Alert Dec que ganhou em segundo lugar
A proposta Alert Dec foi a segunda colocada e também propõe solução para prevenção das lesões por pressão, através de alertas. “É uma oportunidade que a Santa Casa nos deu, com a possibilidade de implantar aqui. O melhor é que pode salvar vidas”, afirmou o enfermeiro Alex Luiz Fagundes, um dos cinco integrantes da equipe que ganhou R$ 3 mil. O terceiro lugar ficou com a proposta Check Life que otimiza a regulação dos pacientes atendidos pelos serviços de transporte de emergência (Siate e Samu) para os hospitais, através de uma comunicação on line.  Hoje o processo é manual e via telefone. O prêmio deles foi de R$ 2 mil. 
O terceiro lugar foi para a equipe Check Life
A ideia dos três vencedores e dos demais participantes é inscrever suas propostas no edital de pré-aceleração e aceleração que será aberto nas próximas semanas pelo IEPI-ISCAL (Instituto de Ensino, Pesquisa e Inovação da Iscal). “Todos os projetos têm utilidade e já são vencedores porque também podem ajudar nos hospitais. Por isso, todos devem participar do edital”, defende o superintendente da Iscal, Fahd Haddad. O gerente do Sebrae-Londrina, Fabrício Bianchi, destaca a integração do setor. “Temos um ecossistema de instituições da saúde em Londrina e o hackathon integra com realidade prática do hospital”, afirma.   

O Hackathon Health Tech 2018 foi realizado pelo IEPI-ISCAL em parceria com o Sebrae-PR e  Pólo da Saúde de Londrina, com apoio do Salus, Hacking Health, APL TI Londrina, RedFoot, Alis e o patrocínio da MV Sistemas. 

Participantes passaram 48 horas desenvolvendo propostas
.........................
Assessoria de Comunicação | ISCAL
FOTOS: Arquivo ISCAL

 

 

 

Pesquisar:
 
 
 
Rua Senador Souza Naves, 441 - 15°andar • CEP 86010-160 • Londrina/PR