Home Ouvidoria Voluntariado Trabalhe na ISCAL Intranet Mapa do Site
A ISCAL
Unidades da ISCAL
Convênios de Saúde
Serviços
Pastoral da Saúde
Ensino e Pesquisa
Voluntariado e   Comunidade
Fornecedores
Imprensa
Fale Conosco
NotÝcias
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto
Tamanho do texto

Doação de órgãos

Quatro crianças são beneficiadas com órgãos de menino atropelado na região norte do Paraná
 
A captação múltipla de órgãos foi na madrugada deste domingo no Hospital Infantil Sagrada Família
 
O gesto de solidariedade da família de um garoto de quatro anos, atropelado na região norte do Estado na semana passada, salva a vida de outras quatro criança em três Estados - Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro. Apesar da dor da perda do filho e da avó do garoto que morreu no local do acidente, os pais do menino doaram os órgãos dele para transplante.

A captação foi realizada na madrugada do domingo, dia 04 de junho, no Hospital Infantil Sagrada Família. Os rins foram para Curitiba, o coração para São Paulo e o fígado para o Rio de Janeiro, beneficiando quatro crianças que aguardavam por um órgão para transplante.

Captação de órgãosOs globos oculares (córneas e escleras) foram para o Banco de Olhos de Londrina e devem beneficiar mais duas pessoas. Segundo Flávia Bussolo, enfermeira da Comissão Intra-hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes (CIHDOTT) do Hospital Infantil,  as córneas de uma criança podem ser transplantadas tanto em criança quanto em adulto. “A fila para córneas é única entre adultos e crianças”, destaca.

RARIDADE - Credenciado para captação e transplante de órgãos, essa foi a terceira vez que o Hospital Infantil realizou uma captação. A primeira foi em 2012, também de múltiplos órgãos. Em janeiro do ano passado, uma criança vítima de afogamento doou rins e globo ocular. Além dessas três doações, o Hospital registra apenas dois casos de recusa da doação pela família – um em 2015 e outro em junho do ano passado. Ao todo, são apenas cinco protocolos de doação em anos de trabalho. “Pela precocidade do óbito, a doação de órgãos de criança envolve ainda mais sofrimento na família. Além disso, comparando com o adulto, temos menos diagnósticos de morte encefálica em criança em condições viáveis para doação”, afirma Flávia.      

..........................
Assessoria de Comunicação | ISCAL
Fotos: Arquivo ISCAL

 

 

Pesquisar:
 
 
 
Rua Senador Souza Naves, 441 - 15°andar • CEP 86010-160 • Londrina/PR