Home Ouvidoria Voluntariado Trabalhe na ISCAL Intranet Mapa do Site
A ISCAL
Unidades da ISCAL
Convênios de Saúde
Serviços
Pastoral da Saúde
Ensino e Pesquisa
Voluntariado e   Comunidade
Fornecedores
Imprensa
Fale Conosco
NotÝcias
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto
Tamanho do texto

postado em 10.06.2015

Remoção da fimose
Mutirão cirúrgico atende 11 crianças no primeiro dia no Hospital Infantil

Um mutirão cirúrgico foi a saída encontrada para agilizar uma fila com 150 crianças aguardando pela remoção da fimose – a postectomia. No primeiro dia do mutirão no Hospital Infantil, no começo de junho, onze crianças, com idades entre 3 e 9 anos, foram beneficiadas.  
Rosilene Muniz acompanha o filho até a entrada do Centro Cirúrgico.
Um dos pacientes atendidos é João Antonio, 5 anos. A cabeleireira Rosilene Inácio Muniz, mãe do menino, conta que aguardava pela cirurgia há 3 anos. “Ele reclamava de dor para fazer xixi, fazia aos pouquinhos. Esse mutirão é ótimo porque quanto antes operar é melhor”, ressalta. Menos de uma hora depois, na saída do filho do centro cirúrgico, Rosilene recebeu as orientações dos médicos: uma semana sem ir para escola, um mês sem andar de bicicleta  nem jogar bola, além dos cuidados com o curativo e o retorno ao Hospital. 

A ideia da coordenadora do mutirão, a cirurgiã pediátrica Ides Sakassegawa, é repetir a ação a cada três semanas, sempre aos sábados, podendo beneficiar até 150 crianças. Todos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) de Londrina e região. Assim, o próximo mutirão deve ocorrer ainda em junho. Os pacientes aguardam pela cirurgia no Hospital Universitário (HU) que está em greve e, portanto, com restrições nos procedimentos eletivos como é o caso das postectomias.
Ides Sakassegawa explicou para a imprensa sobre o multirão.
Além da médica Ides Sakassegawa, sete médicos entre cirurgiões, anestesistas e residentes estão envolvidos no mutirão: a cirurgiã pediátrica Andréia Miyazaki; as anestesistas Amália Tamae Okamoto e Juliane Cavalheiro; os residentes de Medicina do HU: André Fernando Tannouri Garbin, Karina Miura da Costa, Sandro José de Oliveira e Paulo Gasparetto.  Integrantes do corpo clínico do Infantil, as  médicas Ides e Andréia também são docentes do HU.

163 postectomias em 2015 – O Hospital Infantil realiza, em média, 30 postectomias/mês. O que representa 18% do total de 170 cirurgias/mês realizadas no Hospital. Só neste ano, o Infantil já realizou 163 postectomias. 

A fimose - É a dificuldade ou até impossibilidade de expor a glande (ou cabeça do pênis) porque o prepúcio  (prega da pele que envolve a glande) estreita a passagem.
Quando o descolamento do prepúcio não ocorre naturalmente na primeira infância, o tratamento da fimose é cirúrgico. O ideal é que a cirurgia seja feita na infância.  Com isso, facilita a higiene do pênis, diminui o risco de inflamações e infecções do prepúcio e da glande, além de permitir relações sexuais mais confortáveis na vida adulta.


…...............................................
Assessoria de Comunicação | ISCAL
Fotos: Arquivo ISCAL  
 

 

 

Pesquisar:
 
 
 
Rua Senador Souza Naves, 441 - 15°andar • CEP 86010-160 • Londrina/PR